Pular para o conteúdo
Voltar

Chega ao mercado mais um resultado dos investimentos em ciência no Estado de MT

Uma Cultivar geneticamente diferenciada para melhor aproveitamento do solo e clima brasileiro, produzindo frutos com qualidade
Widson Ovando | Fapemat

Embalagens de sementes do Maracujá Solar para comercialização - Foto por: Sementes Feltrin
Embalagens de sementes do Maracujá Solar para comercialização
A | A

Chega ao mercado uma nova cultivar de maracujá azedo, com uma seleção geneticamente modificada para melhor aproveitamento do solo e clima brasileiro, produzindo frutos de melhor qualidade, a variedade “Maracujá Solar”, resultado de 12 anos de pesquisa desenvolvidos por pesquisadores da Universidade do Estado de Mato Grosso (Unemat) em parceria de fomento da  Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de mato Grosso (Fapemat) e do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq).

A empresa responsável pelo lançamento é a Feltrin Sementes, com mais de quatro décadas de atuação no mercado de sementes hortifruti, acredita que o Maracujá Solar é mais um produto de destaque, por apresentar como uma planta forte e tolerante a doenças foliares, com alto pegamentos de frutos e sistema radicular profundo.

O coordenador da pesquisa, doutor em genética e melhoramento de plantas, Willian Krause, ressalta que “essa genética diferenciada, pode ser plantadas durante o ano todo em diversas regiões do Brasil, Norte, Nordeste e Centro-Oeste, e durante o verão no Sul e Sudeste, produzindo frutos de qualidade por se adaptar melhor aos diferentes tipos de solo e clima brasileiros, sendo uma ótima opção de investimento para os produtores”.

Os estudos foram desenvolvidos na Unidade Experimental da (Unemat), em Tangará da Serra-MT.

A Agência de Inovação da Unemat (Aginov), responsável pela gestão de propriedade intelectual da Instituição, esteve presente desde a prospecção e acompanhou todas as fases desse processo como negociação e valoração da transferência de tecnologia. A Aginov auxiliou no registro da cultivar junto ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) assim como atuou na interlocução com os setores da Unemat e da Feltrin que demonstrou interesse na comercialização da semente.

De acordo com Presidente da Fundação, Marcos Fernandes de Sá, “este é um exemplo da importância dos investimentos em ciência, tecnologia e inovação. O Governo do Estado de Mato Grosso fomenta a formação de novos pesquisadores com bolsas de estudos e projetos desde o ensino fundamental ao pós-doutorado, em todas as áreas do conhecimento,  no desenvolvimento de produtos e processos”.